Formula 1

Novas unidades motrizes podem superar os 1200 cv

Os construtores reuniram-se com a FIA e a FOM para discutir o futuro dos motores da Fórmula 1. As primeiras conclusões são de que as novas unidades motrizes deverão ser mais simples, mais potentes, mais ruidosas e mais baratas.

O pacto de concórdia garante aos fabricantes de motores estabilidade até o final de 2020, mas em 2021 tudo deverá mudar. Os atuais V6 Turbo são considerados demasiado caros e complicados. Além disso, o limite de 4 motores por época impede os pilotos de utilizarem o modo de potência máxima em grande parte da corrida e a redução para 3 unidades em 2018 irá conduzir a um aumento do dinheiro gasto em desenvolvimento.

No primeiro debate sobre o futuro do regulamento estiveram presentes Ross Brawn, como Diretor Técnico da FOM, Jean Todt e os construtores Mercedes, Ferrari, Honda, Renault, Audi e Ilmor. O primeiro ponto de discussão foi a relevância da F1 para os carros de estrada. Ross Brawn justificou o afastamento desta filosofia com o facto de que um carro de Fórmula 1, por causa das rodas descobertas, está muito distante de um carro de série ao nível da resistência ao ar e da aerodinâmica e, portanto, não precisa obrigatoriamente de utilizar um motor semelhante aos do carro de estrada.

Na reunião, levantou-se também a questão se cada fabricante teria de desenvolver a sua própria bateria e turbocompressor no futuro. Ambos os componentes são vistos como adequados a tornarem-se componentes padrão, uma vez que o seu desenvolvimento consome uma grande quantidade de dinheiro, mas não é visível aos olhos do grande público.

Todos os participantes foram convidados a apresentar propostas concretas dentro de dois meses, mas algumas ideias foram já debatidas.
O futuro motor poderá ser um V6 Biturbo, baseado na arquitetura atual. A este seria acoplado um potente motor elétrico, sendo o MGU-K o único método de recuperação de energia. O MGU-H deverá ser abandonado, uma vez que é caro e é a principal causa para o som baixo do atuais V6. O motor elétrico deverá atuar sobre o eixo dianteiro, podendo fornecer uma potência extra de 300 cv. Toto Wolff defendeu que a relação peso-potência do MotoGP deveria ser um modelo para a F1, podendo a potência da unidade motriz atingir os 1.225 cv, com base nos carros atuais.

No final da reunião, o presidente da FIA estava satisfeito com o resultados: “É positivo que todos os participantes tenham sido capazes de chegar a um acordo sobre a direção que queremos seguir com os motores da Fórmula 1”.

Clique para comentar

Responder

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Últimas Notícias

Fundado em 2012, o F1PT surgiu com a missão de levar toda a informação sobre o mundo da Formula 1 aos portugueses e países de língua portuguesa.

Com o objetivo de sermos líderes na cobertura do pináculo do desporto motorizado, comprometemos-nos a apresentar o máximo de conteúdo disponível nunca sacrificando a qualidade do mesmo.

Disclaimer

F1PT is not affiliated with Formula 1, Formula One Management, Formula One Administration, Formula One Licensing BV, Formula One World Championship Ltd or any other organisation or entity associated with the official Formula One governing organisations or their shareholders.

Copyrighted material used under Fair Use/Fair Comment.

Facebook

Copyright © 2017 F1PT.

Topo
Download Premium Magento Themes Free | download premium wordpress themes free | giay nam dep | giay luoi nam | giay nam cong so | giay cao got nu | giay the thao nu